terça-feira, 23 de outubro de 2012

Michael Behe no IV Simpósio Internacional Darwinismo Hoje, na Universidade Presbiteriana Mackenzie - São Paulo-SP

Desafiando a Nomenklatura Científica




Posted: 17 Oct 2012 06:51 AM PDT
IV Simpósio Internacional Darwinismo Hoje

Conferencistas

Palestrante Internacional

Prof. Dr. Michael J. Behe – Possui doutorado em bioquímica pela University of Pennsylvania (1978). É professor de ciências biológicas na Lehigh University e pesquisador do Discovery Institute's Center for Science and Culture. Além de mais de 35 artigos em periódicos bioquímicos, e editoriais em jornais e revistas de ampla circulação, ele já publicou três livros dos quais A Caixa Preta de Darwin (Jorge Zahar, 1997) foi muito resenhado e considerado um dos 100 livros mais importantes do século 20 de acordo com a revista National Review and World. Esse livro discute as implicações para o neo-Darwinismo do que ele chama de sistemas bioquímicos “irredutivelmente complexos”, isto é, com sistemas moleculares na célula que exigem múltiplos componentes a fim de funcionar.

Palestrantes Nacionais

Prof. Dr. Aldo Mellender de Araújo – Possui graduação em História Natural (1967) e doutorado em Genética e Biologia Molecular pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1973). Realizou estágios na University of Liverpool (1975) e na Cornell University (1976), sobre história da genética e evolução. Atualmente é professor titular do Instituto de Biociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (IB - UFRS), atuando na área de história e epistemologia das ideias sobre evolução biológica. Tem experiência na área de Genética, com ênfase em Genética Ecológica, atuando principalmente nos seguintes temas: seleção sexual, seleção de parentesco, evolução biológica. Possui vários artigos e capítulos de livros publicados.

Prof. Ms. Eduardo Rodrigues da Cruz – Possui graduação e pós-graduação tanto em física (pela USP) quanto em teologia. Seu doutorado em Teologia foi obtido pela Lutheran School of Theology at Chicago, em associação com a University of Chicago (1987), e seu Pós-Doutorado no Institute for the Advanced Study of Religion na mesma instituição (1993). É professor da PUC/SP desde 1979 junto ao Depto. de Teologia e Ciências da Religião. Com vários livros, capítulos de livros e artigos em periódicos publicados, tem também recebido vários auxílios da Fundação John Templeton. Sua pesquisa enfoca os seguintes temas: fundamentos da ciência da religião, ciência e religião, cultura científica moderna, ambivalência do progresso científico, e ciência no século xx e criação. É diretor do Centro Cardeal Arns de Estudos Interdisciplinares (CECREI) da PUC/SP.

Prof. Dr. Marcos Nogueira Eberlin – Graduação (1982), Mestrado (1984) e Doutorado (1988) em Química pela Universidade Estadual de Campinas e pós-doutorado no Laboratório Aston de Espectrometria de Massas da Universidade de Purdue, USA (1989-1991). Atualmente é professor titular da Universidade Estadual de Campinas. É membro da Academia Brasileira de Ciências (2002) e comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico (2005). É presidente (2009) da Sociedade Internacional de Espectrometria de Massas (IMSF) e vice-presidente da Sociedade Brasileira (BrMASS). Estuda a arquitetura química dos seres vivos, o que, objetivamente, significa buscar explicações científicas para a origem da vida. Já publicou cerca de 500 artigos científicos (2012) com mais de 6500 citações em áreas diversas da Química e Bioquímica, e Ciências dos Alimentos, Farmacêutica e dos Materiais.


+++++

NOTA DESTE BLOGGER:

Este blogger, mestre em História da Ciência pela Pontifícia Universidade Católica, São Paulo (2008) vai ter o privilégio de estar junto desses cientistas e apresentar a oficina
"Aspectos científicos da teoria do Design Inteligente no contexto de justificação teórica", dia 23/10 às 14:30.
Posted: 17 Oct 2012 05:53 AM PDT
Evolution before genes

Vera Vasas 1,2†, Chrisantha Fernando 3,4†, Mauro Santos 1, Stuart Kauffman 5 and Eörs Szathmáry 2,6*

Abstract

Background: Our current understanding of evolution is so tightly linked to template-dependent replication of DNA and RNA molecules that the old idea from Oparin of a self-reproducing ‘garbage bag’ (’coacervate’) of chemicals that predated fully-fledged cell-like entities seems to be farfetched to most scientists today. However, this is exactly the kind of scheme we propose for how Darwinian evolution could have occurred prior to template replication.

Results: We cannot confirm previous claims that autocatalytic sets of organic polymer molecules could undergo evolution in any interesting sense by themselves. While we and others have previously imagined inhibition would result in selectability, we found that it produced multiple attractors in an autocatalytic set that cannot be selected for. Instead, we discovered that if general conditions are satisfied, the accumulation of adaptations in chemical reaction networks can occur. These conditions are the existence of rare reactions producing viable cores (analogous to a genotype), that sustains a molecular periphery (analogous to a phenotype).

Conclusions: We conclude that only when a chemical reaction network consists of many such viable cores, can it be evolvable. When many cores are enclosed in a compartment there is competition between cores within the same compartment, and when there are many compartments, there is between-compartment competition due to the phenotypic effects of cores and their periphery at the compartment level. Acquisition of cores by rare chemical events, and loss of cores at division, allows macromutation, limited heredity and selectability, thus explaining how a poor man’s natural selection could have operated prior to genetic templates. This is the only demonstration to date of a mechanism by which pre-template accumulation of adaptation could occur.

Reviewers: This article was reviewed by William Martin and Eugene Koonin.

Keywords: origin of life, prebiotic evolution, chemical evolution, catalytic reaction networks, autocatalytic sets, replicators, protocells, metabolism-first theory of origin of life


Nenhum comentário:

Postar um comentário